x

Pra não perder as novidades,

Escreve o seu email aí embaixo

Prometemos só aparecer na sua caixa de entrada quando realmente valer à pena ;)

1 de setembro de 2017Beauty

Conversando sobre maquiagem

Eu não costumo ser muito ativa no Stories do Intagram mas, sem dúvida, a vez que mais tive feedback de seguidoras foi quando postei algumas fotos da minha gaveta de maquiagem há uns dois meses atrás. É impressionante como esse assunto é sério pra mulherada, né? Nosso rosto é mesmo o nosso maior cartão de visitas.

Recentemente, tenho vivido o meu segundo maior período de grandes dificuldades com a minha pele. Quem já leu esse post de alguns anos atrás, sabe um pouco do que foi, pra mim, uma prova de resistência emocional. Passei o primeiro semestre de 2015 fora do país e, exatamente nesse período, vivi a pior crise de acne da minha vida. Me transformei naquela imagem estereotipada do adolescente com grandes inflamações no rosto e, pior, sem poder lançar mão de nenhuma medida verdadeiramente eficaz por estar longe dos meus médicos. Eu sempre soube que a causa daquela reação foi emocional, que os meus hormônios tinham enlouquecido devido ao grande nível de estresse pelo qual eu estava passando mas, exatamente por esse motivo, não existia nenhum recurso tópico/externo do qual eu pudesse lançar mão naquele momento. Além disso, ainda estava num clima completamente diferente e, se eu seguisse as recomendações básicas de tratamento que conhecemos para pele acneica (produtos secativos), o resultado final era ainda pior por conta da desidratação. Aprendi na marra sobre as virtudes da paciência, a vislumbrar o amor próprio além das minhas idealizações e a ter carinho e cuidado comigo mesma. Cheguei de volta ao Brasil naquele meio de ano e comecei um longo tratamento oral (acompanhado pela minha dermatologista!) de Roacutan aliado a alguns procedimentos externos que realmente me ajudaram a fazer as pazes com o espelho.

Pude então viver um curto período de calmaria até descobrir que estava grávida, no início desse ano, e ver todo aquele longo e trabalhoso processo de recuperação do meu rosto/auto estima ir por água abaixo. Logo no segundo mês de gestação minha pele já começou a dar sinais de que a tranquilidade havia acabado e somente agora (estou no sétimo mês nesse momento) as coisas estão começando a melhorar. Apesar de ouvir de todos os lados o quanto essas mudanças são normais, não tenho nenhuma amiga que tenha passado pelo nível do que passei pra me consolar (acreditem, a reclusão gestacional também foi por motivos de não-quero-ver-ninguém-porque-mal-consigo-me-olhar-no-espelho) mas, de verdade, não vejo outra saída a não ser aprender a me aceitar com as minhas especificidades e questionar um pouquinho o grau de importância que sempre dei a estética na minha vida (sim, logo eu…). Mais uma vez, meus hormônios resolveram me mostrar o tamanho da ilusão que é a ideia de controle que fazemos questão de cultivar e, seguindo a linha de procurar descobrir a lição de cada situação que me é colocada, resolvi (depois de algumas crises de choro) entender que esse é o meu corpo com suas milhares de maravilhas e defesas gerando um verdadeiro milagre. Assim como com todas as outras muitas mudanças físicas e emocionais que a gravidez tem me proporcionado, tenho trabalhado em direcionar minhas energias pro acolhimento e tranquilidade, lembrando sempre do quanto o meu filho já é influenciado pelas minhas reações. Não por acaso, essa mais recente melhora física veio junto a esse sentimento de aceitação.

Chegando ao nosso ponto principal, é importante começar dizendo que eu não poderia estar numa fase mais clean e inclinada ao visual “mais-limpo-possível” (pelo menos, existe algum tipo de coerência entre o meu externo e os meus questionamentos de vida). Canais como o da maquiadora francesa Violette e da marca de cosmésticos americana Glossier, vem transformando completamente o meu approach com a beleza nos últimos tempos. Tenho curtido uma estética bem mais natural do que antes (até o secador de cabelo vem sendo aposentado), com bem menos maquiagem e uma pele bem mais transparente o que (tcharãn!) logicamente tem sido um resultado praticamente impossível diante da quantidade de cobertura que o meu rosto vem exigindo quando opto pela missão de me maquiar. Minha solução foi encontrar um meio do caminho revisitando alguns vídeos da old time favorite Lisa Eldrigde (esse e esse são maravilhosos!), maquiadora inglesa que já muito me ensinou ao longo dessa saga e, posso dizer que o resultado tem sido razoavelmente satisfatório.

Focando aqui num step by step de correção, depois da pele limpa e preparada tenho começado o processo depositando bem pouquinho da base Double Wear Stay-in-Place Makeup da Estée Lauder (cor 1W2 Sand) nas áreas em que preciso de cobertura. Gosto de dar batidinhas com os dedos porque o acabamento fica bem mais natural e utilizo bem menos produto. Além disso, só cobrir as áreas que realmente se fazem necessárias (no meu caso em volta do nariz, queixo e pontos das bochechas) deixa todo o visual mais leve (aprendi com a Violette que se o nariz, que é o centro do rosto, está limpo e até com algumas sardinhas aparecendo, é criada a ilusão de ótica de que todo o resto também segue a mesma linha). Depois, ainda com os dedos, aplico o corretivo Soft Matte Complete Concealer da Nars (cor Medium 1 Custard) embaixo dos olhos e nos cantos do nariz. Em seguida, com um pincel de esfumar uso a Dermablend Fluid Corrective Foundation 16hr da Vichy (cor 15 Opal) para corrigir pontos específicos do rosto (manchas muito fortes ou espinhas) que não tenham sido solucionados com a base da Estée Lauder (nesse caso a base da Vichy faz o papel de um corretivo – melhor dica dos últimos tempos que aprendi nos vídeos da Lisa). Pra segurar tudo no lugar vem o All Day Luminous Powder Foundation da Nars (cor Medium 1.5 Vallauris) com a própria esponja ou pincel não tão grande (sempre tomando cuidado pra depositar o produto ao invés de “esfregar” e acabar tirando as camadas de baixo – esse é o único item que acabo passando na testa e nariz pra dar uma uniformizada geral). Nesse caso de uma pele mais elaborada, também costumo colocar um pouco do Radiant Creamy Concealer da Nars (cor Medium 1 Custard) bem no canto interno dos olho a fim de uma iluminada a mais. Pra criar um pouco mais de dimensão e dar uma esquentada no rosto, tenho gostado bastante do Les Beiges da Chanel (cor 40) através de um pincél bem gordo com o intuito de fugir do look contornado. Pra finalizar (finalmente!) uso o Ambient Strobe Lighting Powder da Hourglass (cor Incandescent) nas pálpebras, têmporas, ponta do nariz e centro do queixo.

Nos olhos uso o Long Lasting Kohl Pencil da Sephora na cor 06 Deep brown esfumado em cima e embaixo e o 07 Infinite beige na linha d’água. Depois venho com um tiquinho da sombra Soba da Mac e dou uma misturada nas pálpebras marcando um pouco o côncavo. O curvex da Shu Uemura aliado ao Lash Sensational Mascara da Maybelline faz o meu combo favorito na hora de conseguir definição e volume no cílios. Corrijo (de leve!) a sobrancelha com o Brow Sculpting Pencil da Hourglass (cor Soft Brunette) e dor um ar de saúde nas bochechas (dica: também passo um pouquinho no meio do nariz pra ficar tipo efeito de sol) com o Amazonian Clay 12-hour blush da Tarte (cor: paaarty). Por último, uso o balm Luca’s Papaw Ointment num cotonete pra limpar todo o excesso de produto (base, corretivo e pó) da minha boca e, depois dela limpa e novamente hidratada, coloco um tiquinho do Lip Color Matte do Tom Ford (cor 04 Thomas) com o dedo mais no centro pra dar um efeito manchadinho.

Et voilà! É importante lembrar que no dia-a-dia mesmo elimino alguns (vários) desses passos acima priorizando o estrito necessário e deixando esse ritual completo pra ocasiões um pouco mais especiais como jantares ou coisas do gênero. Outro ponto importante que vale dizer é que, apesar de eu amar texturas mais molhadas e cremosas, elas apenas funcionam em superfícies super lisas (o que não tem sido o meu caso nos últimos meses) por conta de uma maior reflexão de luz que evidencia qualquer “defeito” (mesmo caso dos iluminadores), o que nos faz concluir que, pele matte it is. Pra reforçar, ainda moro no Rio de Janeiro e, a frequente umidade daqui é um dificultador a mais no meu processo de busca por um visual um tantinho mais uniforme. De qualquer forma, achei que valia mostrar pra vocês os produtos e processos que mais tem me ajudado e ainda dizer que não mantenho muito mais do que isso guardado no meu banheiro. Ao longo do tempo fui me desfazendo de tudo aquilo que configurava como excesso nesse quesito e, hoje em dia, tenho apenas os produtos que realmente uso. Espero que curtam e se tiverem qualquer dica, pergunta ou comentário, me escrevam por aqui que fica tudo bem mais organizado do que por direct no Instagram. Beijos e até muito breve!

• thought you might also like •

  1. Ana Sofia, 4 de setembro de 2017 - 21:29

    Gabby,
    Encontrei teu blog no ano passado por meio da Giovanna Borgh, pesquisando sobre vídeos de casamento. Como falei pra ela um dia, é incrível como a gente acaba encontrando e se aproximando de pessoas que vibram na mesma frequência que a gente. Eu já vinha numa busca por mais espiritualidade e mais serenidade na vida, mais slow living, e encontrar a Gio foi uma benção. Te encontrar também foi 🙂 e agora, lendo sobre todas essas referências no youtube, já perdi horas nos canais mencionados e adorei todos os vídeos que vi. Uma coisa realmente puxa a outra.
    Vim dar um super parabéns por tu ser tão real e tão humana e por passar isso nos teus textos. Quem vê tuas fotos de gravidez acha que tudo é maravilhoso e que nada de fora do controle acontece com o nosso corpo durante esse período. Hoje em dia essa é a imagem que todo mundo passa nas redes sociais, para tudo. Desmistificar e contar como a mudança na pele te frustrou é um ar fresco em tanta “vida perfeita” que vemos por aí – e é o que nos torna mais humanos e mais compreensivos com os outros e com nós mesmos.
    Também tive uma época bem ruim de pele no comezinho dos meus 20, e uma dermato me ensinou a aposentar o esfoliante e hidratar mais, limpar com cremes e sabonetes menos abrasivos… Isso mudou tudo pra mim. É um alivio saber que, quando engravidar, se algo sair do controle… É vida que segue. Acontece até com as pessoas que a gente tanto admira <3
    Obrigada!
    Um beijo! (e vê se continua postando, porque eu amo acompanhar o blog!)

    • Gabriella Magalhães, 10 de outubro de 2017 - 10:42

      Oi Ana!
      Acredito demais nesse encontro de energias! O trabalho da Giovanna me foi introduzido pela amiga que mais deve se aproximar de mim nesse sentido, nessa sintonia e buscas de vida, ou seja, nada é por acaso, Fico muito honrada em ser, de alguma forma, também colocada nesse contexto pra você. Também me sinto bem mais tranquila em saber que consigo passar um pouquinho de verdade nos meus textos porque, do fundo do coração, nenhuma vida pode ser editada como as imagens que tanto gosto de postar e delinear essa diferença é bastante importante pra mim! No fundo estamos todos lutando as nossas batalhas, independente de beleza, conta bancária ou qualquer outro tipo de status que a nossa sociedade alimente.
      Obrigada você pelas palavras de tanto carinho. Espero vê-la sempre por aqui ♥
      Um super beijo pra você!!!

  2. Marina Bevilacqua, 19 de setembro de 2017 - 16:04

    Oi Gabi, tudo bem?
    Eu fui uma dessas pessoas que te perguntou mais de uma vez sobre a sua gaveta de makes. Fazia muitooooo tempo que eu não lia algo legal em algum blog, quanto o assunto é sobre beleza, só vejo fotos e vídeos. O seu texto foi um refresh e meu deu um ar de nostalgia quando ainda não existia instagram e vlogs, adorei os detalhes e fiquei muito feliz em saber que já conhecia essas blogueiras e algumas dicas citadas.
    Acredito que todas as pessoas passam por algum momento assim, o meu não foi com a minha pele, mas com o meu peso durante meu intercâmbio. E está tudo bem, somos humanos, acontece ter períodos ruins e bons.
    Gostei de ver o carinho que você se cuida e se trata, um exemplo +)
    Post mais vezes tanto aqui como no insta!!
    bjão

    • Gabriella Magalhães, 10 de outubro de 2017 - 10:27

      Oi Mari!
      Que delícia “ouvir” que ainda tem gente que curte ler um pouquinho sobre esses assuntos. Ás vezes me sinto um pouco “das cavernas” ainda me dedicando a textos nesse contexto de hoje em dia, mas acho que no fim tem espaço pra todo mundo, né? E que legal que você também já conhecia um pouquinho das minhas inspirações! =)
      E é isso mesmo, a parte mais difícil dos momentos difíceis é conseguirmos manter a calma e o amor próprio, itens de maior importância em nossas vidas! Pode deixar que sempre que posso venho correndo pra cá e pro Insta, amo toda essa troca com vocês!
      Obrigada pelo carinho e volte sempre!

  3. Ana Carolinna Pinheiro, 28 de setembro de 2017 - 22:11

    Gabi, amo seu site, e amo saber que você é tão de verdade assim…
    Também tenho a pele super oleosa, e sei bem do que você está falando e do que sente.
    Continue postando dicas e coisas reais pra gente. Isso é inspirador.
    E, uma coisa; Não consigo te imaginar feia, mesmo com a cara toda pipocada, sei que isso acaba com nossa autoestima, mas passa.
    Você é uma deusa! Beijos 😘😘

    • Gabriella Magalhães, 10 de outubro de 2017 - 9:03

      Ana! Obrigada pelas palavras de carinho e motivação!
      Espero vê-la sempre por aqui! ♥

  4. Paula, 5 de outubro de 2017 - 0:52

    Gabi, adorei esse teu post. Além das fotos lindas do insta, sua escrita aqui é super boa! Eu tenho evitando muita maquiagem justamente porque estou passando por uma fase péssima de acne, a pior da minha fase adulta, parece que voltei à adolescência também. Me interessei bastante pelo dermablend que você falou e vou amanhã mesmo atrás dele! Queria te pedir, se você não se importar, pra falar um pouco mais sobre o que você fez pra reverter a acne. Quais são esses procedimentos que você comentou que ajudaram? Algum laser ou algo assim? Eu sempre cuidei muito da pele com dermatologistas, desde bem nova, e acho que já devo ter usado quase todos os produtos dermatológicos que existem. Mas, dessa vez, está beeem difícil. Tenho pesquisado alguns tratamentos naturais agora que é o que falta tentar, porque li que a acne hormonal precisa muito ser tratada “de dentro pra fora”. Você tem alguma dica pra passar? Ou recomendaria seu dermatologista?
    Beijos e obrigada!

    • Gabriella Magalhães, 10 de outubro de 2017 - 8:58

      Oi Paula! Super obrigada pelos elogios! Fico feliz que tenha gostado do post!
      Sobre os tratamentos pra acne, o que realmente fez a diferença na época foram oito meses de tratamento com Roacutan. Ele é um remédio super forte com o qual relutei em outros momentos, mas que acabei me rendendo afim de um resultado realmente eficaz. Fiz tudo com o acompanhamento de uma médica (na época, minha dermato de São Paulo), exames de sangue mensais e a maior responsabilidade possível. Durante esse período, eu usei cremes manipulados (a pele fica super sensível e os ácidos tem que ser muito bem dosados) e mais pro final comecei alguns lasers pra trabalhar de forma mais intensa nas manchas e cicatrizes deixadas pela acne (mas os lasers nunca foram pra tratar a acne de fato).
      De qualquer forma, a minha maior dica em todos os assuntos relacionados a saúde é prestar mais atenção na gente como um todo, de forma mais completa. As reações surgem por algum motivo e, não adianta focarmos em tratarmos apenas os sintomas. No meu caso, todas as vezes que a minha pele enlouqueceu eu estava passando por um nível bastante intenso de stress (hormônios do mal são altamente produzidos nesse momento). De verdade, pra mim, idas a minha terapeuta tem surtido muito mais efeito do que visitas a farmácia. Por fim, acredito que uma alimentação consciente também é capaz de reprogramar todo o nosso organismo, e falo por experiência própria.
      Espero ter podido ajudar, querida.
      Beijos e volte sempre!!!

Leave a note

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *